in

Você viu? Lockdown, rodízio de carros na Ilha, cabine de desinfecção e outras notícias do G1 MA | Maranhão


Confira o resumo de algumas das principais reportagens e as mais acessadas pelos leitores do G1 Maranhão nesta semana de 3 a 9 de maio.

Atendendo a determinação judicial, o governador Flávio Dino (PCdoB) emitiu neste domingo (3) o decreto sobre ‘lockdown’ na Ilha de Upaon-Açu, que compreende os municípios de São Luís, Paço do Lumiar, São José de Ribamar e Raposa.

A tarde desse domingo (3) em São Luís ganhou mais esperança para os católicos em meio a tanta dificuldade vivida pela crise pandêmica do novo coronavírus. Em um movimento de fé, o padre Hernanni Pereira, da igreja “Um Oásis de Misericórdia e Compaixão”, da Paróquia São Maximiliano Maria Kolbe, sobrevoou vários bairros da Região Metropolitana de São Luís com o chamado Santíssimo Sacramento. Iniciando e finalizando o voo por um heliponto localizado no Calhau.

Padre sobrevoa São Luís com Santíssimo Sacramento e pede pelo fim da pandemia

Além disso, em meio a pandemia do novo coronavírus, ir a escola saiu da rotina de estudantes pelo mundo. No Maranhão, as aulas presenciais estão suspensas, mas vários alunos seguem estudando de casa, principalmente aqueles que se preparam para o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) 2020.

No mesmo dia, o juiz da Vara de Interesses Difusos e Coletivos da Comarca da Ilha de São Luís, Douglas de Melo Martins, declarou nesta segunda-feira (4) que tem sofrido diversas ameaças de morte após ter determinado a decretação de um ‘lockdown’ (bloqueio total) nas cidades de Paço do Lumiar, Raposa, São José de Ribamar e São Luís.

O lockdown (bloqueio total) dos serviços não essenciais na Região Metropolitana de São Luís para conter a pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, entrou em vigor nesta terça-feira (5).

Lockdown em São Luís. — Foto: Adriano Soares/Grupo MiranteLockdown em São Luís. — Foto: Adriano Soares/Grupo Mirante

Lockdown em São Luís. — Foto: Adriano Soares/Grupo Mirante

Este é o primeiro caso de bloqueio total no país em meio à pandemia. Medidas semelhantes já são avaliadas pelo governo de estados como Rio de Janeiro, Pernambuco e Pará e também cogitadas pelos prefeitos das capitais paraense, pernambucana e do município paraibano Santa Rita.

A circulação de veículos em São Luís caiu 60% nessa terça-feira (5), quando entrou em vigor o ‘lockdown’ (bloqueio total) dos serviços não essenciais na Região Metropolitana de São Luís para conter a pandemia de Covid-19, em comparação com o dia anterior. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (6) pelo prefeito da capital, Edivaldo Holanda Júnior, por meio de uma rede social.

“Apresentei mais cedo balanço parcial positivo da redução do fluxo de veículos nas avenidas de São Luís no primeiro dia de lockdown. Fechamos há pouco o relatório completo da SMTT que traz dados ainda mais otimistas: cerca de 60% a diminuição do tráfego nas últimas 24 horas”, publicou o prefeito.

Além disso, como medida de diminuição da contaminação do novo coronavírus no Maranhão, foram implantados nessa terça-feira (5) pontos para lavagem das mãos em locais de grande circulação em São Luís. A medida foi realizada pela Secretaria das Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid) em uma projeto chamado Mãos Sempre Limpas.

Pontos para lavar as mãos contam ainda com instruções para boa higienização  — Foto: DivulgaçãoPontos para lavar as mãos contam ainda com instruções para boa higienização  — Foto: Divulgação

Pontos para lavar as mãos contam ainda com instruções para boa higienização — Foto: Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro autorizou, nesta quinta-feira (7), o envio de tropas das Forças Armadas para combater focos de incêndio e desmatamento ilegal na chamada Amazônia Legal, que engloba os estados de Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e parte do Maranhão.

No terceiro dia de lockdown na Região Metropolitana de São Luís o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), avaliou as medidas de confinamento obrigatório como “um sucesso gigantesco” mesmo com grandes aglomerações registradas em bairros na Grande Ilha, que envolve a capital e as cidades de São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa.

No mesmo dia, a Justiça Federal determinou ao governo federal e à Caixa Econômica Federal que autorize outros bancos a fazer o pagamento do auxílio emergencial, a fim de evitar aglomerações de pessoas e reduzir o risco de contaminação pelo novo coronavírus no Maranhão.

Governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), se manifestou sobre as decisões tomadas por governadores em reunião. — Foto: Divulgação/Governo do MaranhãoGovernador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), se manifestou sobre as decisões tomadas por governadores em reunião. — Foto: Divulgação/Governo do Maranhão

Governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), se manifestou sobre as decisões tomadas por governadores em reunião. — Foto: Divulgação/Governo do Maranhão

Em entrevista coletiva realizada pela internet na manhã desta sexta-feira (8), o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), divulgou novas medidas para conter o crescimento do novo coronavírus no estado. Dino anunciou rodízio de placas para veículos, divulgou antecipação de feriado para aumento em um dia do lockdown e disse que irá editar medidas para aumento de multas à agencias bancarias.

No mesmo dia, foi destaque que empresas do ramo funerário já apontam situação de colapso em São Luís. Em média, elas afirmam que a demanda por atendimentos está seis vezes maior do que antes da pandemia do novo coronavírus. O Sindicato da Empresas Funerárias da capital confirma o aumento repentino na demanda por atendimento e diz que ainda contabiliza o crescimento dos pedidos por serviço.

Empresas funerárias apontam aumento na demanda no Maranhão — Foto: Washington SerraEmpresas funerárias apontam aumento na demanda no Maranhão — Foto: Washington Serra

Empresas funerárias apontam aumento na demanda no Maranhão — Foto: Washington Serra

Pesquisadores do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) criaram uma ‘cabine de desinfecção’ para o combate ao novo coronavírus. A função da cabine é higienizar o corpo inteiro das pessoas, especialmente em ambientes hospitalares ou com grande possibilidade de aglomeração, como shoppings, terminais, ambientes escolares e supermercados.

Além disso, uma equipe de professores da mesma universidade trabalha no desenvolvimento de um aplicativo para gestão de filas no estado. Através do app, o usuário poderá informar as condições de aglomeração em locais que estiver visitando. Dessa forma, através do aplicativo, outros usuários poderão consultar se endereços estão cheios ou vazios, antes de sair de casa.

Cabine para desinfecção desenvolvida por pesquisadores da UEMA — Foto: Kaio NogueiraCabine para desinfecção desenvolvida por pesquisadores da UEMA — Foto: Kaio Nogueira

Cabine para desinfecção desenvolvida por pesquisadores da UEMA — Foto: Kaio Nogueira



Ir para fonte da informação