in

Ribeirão Preto tem 3.308 casos de Covid-19 e 91 mortes, diz Prefeitura | Ribeirão Preto e Franca


Ribeirão Preto (SP) registrou nesta sexta-feira (19) 207 novos casos de Covid-19 e duas mortes de pacientes infectados. Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde, a cidade soma 3.308 moradores com coronavírus e 91 óbitos.

De acordo com a Prefeitura, as mortes ocorreram na quarta-feira (17) e na quinta-feira (18). Os pacientes tinham comorbidades.

  • 17/06: homem de 79 anos. Tinha hipertensão arterial. Estava internado em hospital público.
  • 18/06: mulher de 77 anos. Tinha neoplasia. Estava internada em hospital público.

Os óbitos entre homens representam 55% do total, com 50 registros. Mortes entre pacientes com idade entre 70 e 79 anos são maioria, com 27 casos, o equivalente a 29,7%.

Evolução da Covid-19 em Ribeirão Preto

Fonte: Secretaria Municipal de Saúde

Mais pacientes em leitos de UTI

Sem os novos respiradores enviados pelo governo do estado desde quinta-feira (11), Ribeirão Preto teria esgotado nesta sexta-feira os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Os equipamentos possibilitaram a abertura de mais 30 leitos, chegando a 151. Ao todo, 121 pacientes estão internados, índice de 80,1%.

O governo de São Paulo destinou 28 respiradores para o Hospital das Clínicas (HC) e quatro para o Hospital Santa Lydia. A meta, segundo o prefeito Duarte Nogueira (PSDB), é ativar 154 leitos de alta complexidade.

Na enfermaria, há 159 pacientes nos 238 leitos, o que representa 66,8% de ocupação.

Situação das UTIs de Ribeirão Preto em maio e junho

Fonte: Secretaria Municipal de Saúde

Especialistas afirmam que o tempo de internação de um paciente na UTI pode chegar a 20 dias. Segundo o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, os moradores precisam se conscientizar sobre a importância do isolamento social para reduzir o risco de um colapso no sistema de saúde.

Em média, segundo os dados do Sistema de Monitoramento do estado, Ribeirão Preto tem registrado índices diários de 45% de isolamento. O crescimento só é percebido aos sábados e aos domingos, quando a taxa chega a 51%.

“Entendemos que a necessidade nesse momento é do isolamento social. O governo sempre deixou muito claro que, quando é preciso endurecer, nós sempre fazemos para preservar a vida e a saúde das pessoas. Mas o momento pelo qual a gente passa é de isolamento social. Tivemos que regredir a abertura do comércio para manter números importantes e reter a evolução da pandemia”, disse.

Das 11.613 suspeitas da doença até agora, 5.729 foram descartadas, e outros 2.576 moradores aguardam resultados de testes.

Dos 3.308 casos positivos, 2.886 tiveram sintomas leves de gripe e 418 apresentaram síndrome respiratória aguda grave (SRAG).



Ir para fonte da informação