in

Professora da rede estadual dá aulas para alunos sem acesso à internet em Campinas | Campinas e Região


Com a adoção do ensino à distância durante a pandemia, a professora da rede estadual Francisca da Silva, de Campinas (SP), decidiu ceder a sala de casa, no bairro Satélite Iris I, para dar aulas a estudantes e vizinhos que não têm acesso à plataforma criada pelo governo do estado.

A professora, que já soma dez anos de carreira, tem sido a escola, o reforço para entender as atividades mais difíceis e o apoio para que os alunos não desistam de estudar mesmo com os obstáculos. Francisca relata que também enfrenta dificuldades para adequar o material de sala de aula ao novo portal.

“Eu estou aprendendo ao mesmo tempo em que eu estou trabalhando. Então eu lido diariamente com as minhas dificuldades no uso das tecnologias, diariamente é uma dificuldade, né? Na questão de formatar, de enviar, de alcançar o meu aluno. O objetivo maior é o aluno”, diz a docente.

A dificuldade é acentuada pela angústia de ver os alunos longe da sala de aula. “É triste você ver um aluno, que é seu, que deveria estar na escola sendo amparado por diversos professores especialistas, de repente em casa sem acesso algum. Essa angústia a gente lida diariamente”, desabafa.Por isso, a professor decidiu emprestar o próprio computador para quem precisa.

Professora da rede estadual Francisca da Silva cedeu a sala de casa para dar aulas aos estudantes — Foto: Reprodução/EPTV

Já os alunos afirmam que, depois de dois meses longe da escola, ainda não conseguiram assistir às aulas virtuais por conta dos problemas apresentados pelo sistema e à falta de acesso à internet.

“O sistema dá problema. Não entra. Você tenta abrir, não abre. O canal que eles dizem que tem pela televisão também não tem, não acha, não encontra. Tá difícil, né? Esse ano aqui já perdeu”, conta Sidney da Rocha, pai de uma aluna da rede estadual.

Para a estudante Helena de Paula, o ensino à distância se torna um desafio ainda maior por conta das oscilações da rede. A aluna afirma que, além de não ter um computador em casa, enfrenta quedas na conexão várias vezes ao dia. “Tudo que eu estou conseguindo completar de tarefa são os trabalhos que os meus amigos me mandam e os trabalhos que têm nos livros que eu peguei na escola”, diz.

Um levantamento realizado pelo Sindicato dos Professores de São Paulo mostra que, dos 3,7 milhões dos alunos das escolas estaduais, apenas 1,5 milhão têm a chance de acessar o sistema de aulas online, criado para minimizar os impactos da pandemia na educação.

O estudante Weder de Souza, de 14 anos, faz parte dos outros 2,2 milhões de jovens e crianças que pararam os estudos em decorrência da falta de acesso à internet. “Eu gosto muito de ciência, de história. É muito importante fazer as matérias”, afirma Weder.

Estudantes e vizinhos da educadora enfrentam desafios para acessar o sistema criado pelo governo estadual — Foto: Reprodução/EPTV

O subsecretário de articulação da Secretaria Estadual de Educação, Henrique Pimentel Filho, afirmou à EPTV, afiliada da TV Globo, que o sistema criado pelo governo estadual conta com uma tecnologia de dados patrocinados, onde o poder público paga pela internet dos usuários.

“Muitas vezes as famílias querem entrar no wi-fi e a conexão não é tão boa e isso acaba gerando um problema de instabilidade na conexão do centro de mídias, então essa é a nossa recomendação pra esses casos”, ressalta.

O subsecretário pontua ainda que a programação de aulas pela televisão foi entregue por meio de uma cartilha impressa a todas as famílias, além de estar disponível no site do centro de mídias. Henrique Pimentel Filho afirma que, na semana anterior ao início das aulas online, foi feita uma formação com os professores.

“A gente tem tido o costume de fazer escutas diárias com os professores. No aplicativo, a gente já mexeu com algumas coisas em relação à acessibilidade, então por exemplo, todas as aulas tem tradução em libras, a maioria dos professores fazem sem máscara porque os alunos que fazem leitura labial conseguem ler”, diz o subsecretário.



Ir para fonte da informação