in

O isolamento social limita a nossa liberdade?


Por Sofia Arredondo

O que é ser livre? Como podemos encontrar a liberdade? É por acaso que nomeamos o espaço onde a plenitude nos abraça de “ar livre”?

Este texto é uma jornada pelo conceito de “liberdade”, com um objetivo simples: lembrar a você que, se realmente somos livres, em uma situação de isolamento social, podemos ficar em casa para continuar a aventura em outras dimensões. Mas vamos começar do começo…

Você é livre?

Foto: Kristina Wagner on Unsplash | @kristina_wagner_fotografie

Ao longo da história, os seres humanos procuraram definir o que é a liberdade pessoal. Em termos muito genéricos, podemos dizer que é a capacidade de fazer e pensar de acordo com a nossa vontade.

Mas não existe liberdade absoluta. Somos determinados pelo nosso contexto, nossa história, idioma, a nação à qual pertencemos, incluindo o estado de direito que o garante, bem como pelas leis naturais.

A liberdade está intimamente ligada à ação consciente, isto é, à escolha. E, na melhor das hipóteses, podemos lutar e defender nossa liberdade. Para conseguir isso, sim, precisamos refletir sobre por que pensamos como pensamos e por que queremos o que queremos.

Somente assim podemos tentar nos libertar de tudo o que não nos pertence, que foi instilado em nós ou que não queremos. Mas, novamente, entenda que a liberdade não é absoluta, porque estamos condicionados a ser o que somos e nossa liberdade faz parte de quem somos.

Portanto, nossa liberdade, embora limitada, surge da nossa existência, ou seja, do que fazemos ou deixamos de fazer, e não da nossa “essência”, do que somos, digamos vulgarmente, “por nascimento”.

Mas o que tudo isso significa? Embora não haja liberdade absoluta, temos liberdade de escolha. O filósofo Jean-Paul Sartre diz que o homem livre é quem se faz.

Lord Byron, foi um poeta britânico e uma das figuras mais influentes do romantismo

Quando o homem deixa de criar, ele deixa de existir. – LORD BYRON

A liberdade nos fascina, nós a associamos à fuga das obrigações, da lei e da opressão, e existe porque o mundo é incompleto. Ou seja, porque coisas inesperadas ocorrem.

Interrupções da vida cotidiana, mudanças bruscas que não contemplamos, como é, por exemplo, uma doença, desgosto, injustiça, um vírus que causa uma pandemia e nos impede de sair de casa.

Podemos dizer que, porque a realidade é imperfeita e inacabada, há liberdade. Não há garantia de que uma decisão em favor de algo acabe sendo o que esperamos, porque, se houvesse, não seria o produto de um ato livre.

Somos livres porque não conhecemos nosso destino, nem mesmo a existência do destino.

A liberdade é assustadora?

liberdade

Foto: Karim Manjra on Unsplash | @karim_manjra

Em parte sim. É gratuita quando temos a opção de escolher, mas não podemos saber ao certo qual será o efeito de nossa escolha e que causa incerteza.

Por isso, preferimos nos refugiar na segurança que o mundo da história nos oferece, o mundo cotidiano, aquele que nos é “dado”, antes de optar por ser livre. Digamos que quem opta pela liberdade sai para buscar (criar) a vida, enquanto quem teme ser livre espera que a vida aconteça.

Finalmente, ser livre é, sendo redundante, libertar-se daquilo que você não deseja escolher; embora não seja livre, aceitar o que nos é dado.

O encontro com a liberdade no ambiente outdoor

liberdade

Foto: Eneko Uruñuela on Unsplash | @nkuutz

Dissemos que quem escolhe a liberdade sai em busca da vida. Nada é mais prejudicial para uma pessoa aventureira do que um futuro seguro, não é?

A alegria da vida vem, para aqueles que sentem uma forte atração pelo mundo outdoor, de encontros com novas experiências e, portanto, não há alegria maior do que um horizonte em constante mudança. É por acaso que chamamos de ar “livre”?

Mas por que encontramos liberdade ao ar livre?

Uma profunda experiência da natureza cria sentimentos profundos que levam a questões profundas. E não apenas em termos filosóficos ou espirituais, mas no sentido mais básico. Entrar na natureza é se aventurar no desconhecido, no imprevisível, na mudança – o clima, o refúgio, a comida e a empresa ocorrem de uma maneira diferente da que estamos acostumados nas cidades.

Serei capaz de subir nesta rota? Serei capaz de alcançar esse topo? Me livrarei da tempestade que se aproxima? Eles parecem perguntas inúteis, mas no fundo são um reflexo de experiências que nos tiram da nossa zona de conforto, de nossas vidas diárias , do que é “previsível”.

Sob a experiência da incerteza, que, como dissemos, também nos dá liberdade – porque temos a opção de escolher -, nascem sentimentos de pertencimento que, no entanto, não nos encadeiam, não restringem nossa liberdade, mas a intensificam, que paradoxal! Tem um sentimento de pertencer a um lugar, mesmo sem ter estado lá antes, aconteceu com você ao ar livre?

O sentimento de pertencer a um rio ou a uma montanha é espiritual demais para muitas pessoas. Mesmo aqueles que moram em grandes cidades geralmente perdem a capacidade de se conectar subjetivamente com ambientes naturais, e seu relacionamento é mantido a partir de uma dimensão objetiva; a natureza é um objeto, “é bom para alguma coisa”: comida, passatempo, ou é até um espaço aterrador e desconfortável.

Mas deixar-se absorver pela natureza é um estado físico e mental, uma habilidade que precisa de treinamento: é uma escolha.

Liberdade no ambiente outdoor: liberdade condicionada

liberdade

Foto: Francisco T Santos on Unsplash | @franciscotsantos

Quem quer que esteja completamente imerso na natureza estabelece um relacionamento incondicional, ou seja, ele escolhe entrar nele e essa escolha produz um sentimento de liberdade que o resultado não tem certeza.

Encontrar a liberdade ao ar livre vai além de “dominá-la” ou “conquistá-la” porque, como dissemos, a liberdade nasce onde não há garantia de que uma decisão a favor de algo acabe sendo o que esperamos, porque se houvesse, não seria o produto de um ato livre.

Quando partimos para escalar uma montanha, percorrer uma trilha do início ao fim ou subir uma rota, não temos certeza de que teremos sucesso até tentarmos. E quando chegamos ao topo, o domínio superou a nós mesmos – superamos medos, cansaço, fome, etapas técnicas, trechos difíceis – mas não a natureza que pode, num piscar de olhos, nos apagar da imagem.

Se a conquista da natureza ocorreu, seria sujeita a nosso benefício, a incerteza desapareceu e, portanto, não proporcionaria mais experiências verdadeiramente gratuitas.

Em vez disso, uma conexão profunda com a natureza cria um sentimento de responsabilidade em relação a ela. Porque o reconhecemos como o espaço onde somos livres. Que implicações isso tem? Que toda liberdade é determinada pela responsabilidade que temos em possuí-la.

Isto é, novamente, a liberdade não é absoluta, é condicionada; Somos livres para escolher o que pensar e o que fazer, mas a ação tem um limite: termina onde nossas ações afetam o outro .

Assim, se a nossa liberdade ao ar livre é limitada por uma responsabilidade: a de protegê-la, deixando-a melhor do que a encontramos ou, pelo menos, como a encontramos, violar a natureza é, ao mesmo tempo, violar a nossa própria natureza. liberdade.

Isolamento social, liberdade e ao ar livre

Foto: Dillon Shook on Unsplash | @dillonjshook

“Muitos de nós sentamos na praia agora, sem saber para que lado as coisas estão indo e para onde vamos acabar com essa loucura. Mas, como qualquer aventureiro no lugar mais remoto e selvagem do mundo, essa situação também pode nos ajudar a aprender com nós mesmos, a descobrir nossas forças que não sabíamos que tínhamos. ”

Se a liberdade é encontrada ao ar livre, em uma situação de isolamento social como a vivida hoje, derivada da pandemia de coronavírus na qual a solicitação é de que fiquemos em casa – como acontece em países como o México, ou Brasil, onde até agora não há ordem de confinamento por parte das autoridades e o isolamento é dado por sua própria escolha, o aventureiro não está perdendo essa liberdade?

Sendo trancado em quatro paredes, sua liberdade não está sendo restringida?

Como já foi dito: a liberdade não é absoluta e não surge do que somos, mas do que fazemos e pensamos. Então, são as decisões e não as condições que determinam nossa liberdade. Estar em casa é uma condição; enquanto estar livre ao ar livre é uma decisão: uma escolha.

Mas isso significa que, se queremos ser livres (e ser livre é tomar decisões), o que resta é violar a regra de ficar em casa e ir ao ar livre?

Não! Porque, novamente, a liberdade pessoal nunca é absoluta e traz consigo uma responsabilidade importante: a de não violar a liberdade do outro.

“A liberdade é o direito de mover o braço, mas não atinge ninguém com ele.”

À medida que o vírus se espalha pelo mundo, e algumas cidades sofrem uma profunda crise nos sistemas de saúde que foram saturadas, abre-se um debate global: estamos prontos para abrir mão de nossas liberdades pessoais por nossa segurança?

A liberdade é condição sine qua non de criatividade, pensamento, relacionamento e produção humana. No entanto, equilibrar liberdade e segurança também é essencial para uma luta eficaz contra o vírus e, ainda mais importante, para conter desastres naturais causados ​​pelo homem.

A crise da pandemia atual está nos ensinando algo: ameaças globais mostram que nenhum de nós está seguro até estarmos todos seguros.

Ficar em casa hoje não está violando nossa liberdade, está movendo nossa liberdade do exterior para casa: lá, a exploração pode tomar novas direções através do pensamento e da criatividade, o que é mais humano, porque é uma luta pela liberdade global e não apenas pessoal.

A pandemia nos ensina:

  • Não vamos superar a crise, mas todos juntos: fazer o que corresponde a cada um.
  • Os verdadeiros heróis dessa experiência terrível e os que perderam a liberdade: são os médicos, enfermeiros e profissionais de saúde que arriscam suas vidas para salvar os outros.
  • O aventureiro, amante do ar livre, não perde a liberdade quando fica em casa: porque sabe que a exploração é uma escolha que pode tomar direções diferentes, independentemente das condições impostas. Novamente: são as decisões e não as condições que dão liberdade.
  • O coronavírus é um aviso de que não somos donos do universo e de que o mundo não é nossa propriedade privada. Algo que aqueles que amam o ar livre já conheciam profundamente e também reconhecem que ficar em casa está dando um tempo à natureza.
  • Hoje: ficar em casa é a forma mais humana de liberdade.

Quando não podemos mais mudar uma situação, somos desafiados a mudar a nós mesmos.” – VIKTOR FRANKL





Ir para fonte da informação