in

História da Netflix – Origem, plano de expansão e produção original – Hora 7


Quem nunca fez uma maratona da série preferida? E têm aqueles que também cancelaram as assinaturas de TV a cabo para aderir a plataforma de streaming – Netflix. Antes de tudo, a história da Netflix traz uma trajetória até chegar à resolução 4k que conhecemos.

A Netflix é, basicamente, uma sessão de cinema em casa. Além disso, é uma das empresas mais reconhecidas mundialmente devido aos serviços prestados. Contudo, a Netflix passou a investir em produções próprias o que atrai um grande público.

Presente em, praticamente, mais de 190 países a plataforma não iniciou sua história como streaming e, tampouco, fez sucesso imediato. No entanto, apesar do reconhecimento mundial, três países não conseguem acessar o conteúdo: Coreia do Norte, Síria e China. Assim, nesses locais há restrições impostas pelos Estados Unidos. 

Imagem: Coisas de Mineira

Fundadores da Netflix

Primeiramente, em linhas gerais, dois nomes estão à frente da criação da Netflix: Reed Hastings e Marc Randolph. Assim, tudo teve início em 1997 em Scotts Valley, California, ou seja, já são 23 anos de existência. Para contextualizar, Hastings é de Boston, formado em Matemática e mestrado em inteligência artificial em Stanford. Logo, em 1991, auxiliou na fundação da Pure Software, que após cinco anos foi vendida.

Em outra área, Randolph é especialista publicidade e vendas iniciando na MicroWarehouse. Posteriormente, ele se tornou presidente de marketing em uma startup de Hastings, a Atria Software. Essa empresa atuava com a identificação de bugs e controle de desenvolvimento para softwares. 

Imagem: MSN

Ambos, praticamente, tinham interesses em comum como, por exemplo, o modelo de negócios online da Amazon. Sendo assim, também tinham apreço por Elon Musk, os criadores do Google, e com isso queriam encontrar algo para trabalhar com a internet.  

O investimento, inicialmente, para adquirir 925 títulos disponíveis em DVDs e contratar 30 funcionários foi fruto do financiamento de 2.5 milhões de dólares de Steve Kahn. Ainda assim, também investiram o dinheiro da venda da empresa de software de Hastings que somou o valor de  700 milhões de dólares, sendo a mais cara do Vale do Silício na época.  

×

História da Netflix

Por certo, ingressaram no mercado da locação de filmes, que, na época, tinha o resultado de 16 bilhões de dólares por ano nos Estados Unidos. Porém, os empreendedores enfrentaram um empecilho: a fragilidade das fitas VHS ao serem enviadas pelo correio. Entretanto, com os DVD’s o problema foi solucionado e os serviços iniciaram em abril de 1998.

Inicialmente, uma história circulou sobre a origem da Netflix, porém não é verdadeira. Assim, dizia-se que a empresa teria começado quando Hastings, inconformado, teve que que pagar 40 dólares de multa em uma locadora por devolver um filme atrasado.  

Image: Qore

Logo em 1999, iniciaram o modelo de assinatura mensal, ou seja, o usuário paga uma taxa fixa, pega e vê a quantidade de filmes quiser sem se preocupar com atrasos da locação. Dessa forma, a empresa enviava pelo correio os DVD’s já que eram leves e de fácil transporte.  Ainda em 1999  Netflix recebeu investimento no valor de 30 milhões de dólares.  

Negociações de venda

Ainda no início, na história da Netflix, houve duas oportunidades para a venda.  Primeiramente, o CEO da Amazon, Jeff Bezos foi um dos interessados na empresa. Em 1998, ele propôs comprar a plataforma por 12 milhões de dólares. Porém, a proposta foi recusada e, hoje, a Amazon é uma das principais concorrentes da plataforma de streaming.  

Dois anos depois, em 2000, a própria Netflix apresentou proposta de 50 milhões de dólares para ser comprada pela Blockbuster. Na época, a empresa liderava o mercado de videolocadoras. No entanto, a Blockbuster recusou a oferta por não acreditar que a Netflix não daria lucro.  

Novas etapas da plataforma

Em 2002, Randolph passa o cargo de CEO para Hastings. Segundo ele preferia quando ainda era startup e que Hastings foi o responsável pela plataforma. Todavia, Randolph passou a atuar com investimentos e também é cofundador de uma empresa de software. 

Posteriormente, em 2007, o formato streaming em vídeo surge. Ao mesmo tempo, na história da  Netflix obteve-se o resultado de 1 bilhão de DVDs alugados. Porém, já era um período em que o público dos DVD’s já passava por transformação.  Nesse mesmo ano,  a assinatura do plano era de US$ 16,99, para ter acesso a 17 horas de vídeo. Após seis meses foi registrado cerca de 10 milhões de visualizações. 

Em 2009 a Netflix lançou um concurso para uma equipe que desenvolvesse o melhor algoritmo de recomendação de conteúdo para assinantes. Como resultado disso, os cientistas da BellKor’s Pragmatic Chaos ganharam o prêmio de 1 milhão de dólares pelo desenvolvimento. Contudo, o algoritmo melhorava em pouco mais de 10% o que já existia na plataforma. Por fim, não foi usado devido ao valor.  

Imagem: Tem Alguém Assistindo?

Expansão mundial

Em 2010, a história da Netflix começou a expandir e iniciou os serviços no Canadá; ela estreia no primeiro país fora dos Estados Unidos, indo para o Canadá.  Antes disso, em 2008, problemas técnicos no banco de dados interferiram nas operações, acumulando três dias sem envio de DVDs aos assinantes. No entanto, os arquivos foram recuperados e começa a utilizar o Amazon Web Services, servidor em nuvem. A migração total, basicamente, se estendeu até 2016.

Em 2012 a Netflix chegou na Europa, sendo Reino Unido e Irlanda. Contudo, no final do mesmo ano, a plataforma chegou a Escandinávia: Dinamarca, Suécia, Finlândia e Noruega. Logo após, em 2013 foi a vez da Holanda marcando 3 bilhões de dólares em assinatura.

Por fim, o streaming já registrava 32 milhões de usuários nos EUA e 10 milhões pelo mundo. Em 2015 estreou na Austrália e Nova Zelândia e, posteriormente, o Japão, primeiro país da Ásia.  

Em 2011, a Netflix resolveu dividir o negócio de DVDs, separando do online e por streaming. Por conseguinte, o novo nome para os serviços de DVDs era  Qwikster. Porém, a divisão criava, praticamente, duas empresas e os assinantes precisariam aderir às duas.

Além disso, na época as pessoas ainda não tinham aderido ao streaming. Portanto, Reed Hastings não seguiu adiante com a ideia, porém, muitos clientes já tinham cancelado as assinaturas.  

Netflix no Brasil

A história da Netflix no Brasil iniciou em 5 de setembro de 2011. Em suma, o faturamento em 2015 no Brasil somava 1,1 bilhão de reais, ou seja, resultado melhor do que nas TVs abertas. Entretanto, no ano de lançamento a Netflix assinou contrato de licença com a Paramount Pictures, Sony Pictures Television, NBCUniversal International Television, TV Bandeirantes, ABC Television, CBS Television, Dorimedia, MGM, Lionsgate, Summit, Miramax, Relativity, BBC Worldwide, Televisa, Telemundo, TV Azteca, Caracol, Telefe e Disney.

Para se ter uma ideia, nos três primeiros meses de 2017 foram 2,64 bilhões de receita. Atualmente acumula mais de 94 milhões de assinantes. Cada país tem um conteúdo próprio, portanto, o Brasil tem pouco mais de 3.500 títulos, à frente do Canadá e países europeus.  No início, a assinatura no Brasil era de 15 reais. 

Imagem: Como Investir

Produção original 

A Netflix, portanto, passou a investir em produções próprias. A primeira série de distribuição exclusiva é Lillyhammer, que conta sobre um mafioso isolado em uma pequena cidade da Noruega. Ademais, em 2013, estreia “House of Cards”, uma das grandes apostas da Netflix das quais foram investidos cerca de 100 milhões de dólares pra duas temporadas de 13 episódios cada. 

Logo, a plataforma passou a investir bilhões de dólares na programação original, aperfeiçoando o conteúdo de forma que atinja vários públicos. Como resultado disso, a primeira série produzida para o meio online recebeu indicações ao Emmy, ganhando em seis categorias, além de dois Globos de Ouro. 

Não obstante, a Netflix ganhou público por salvar séries canceladas, por exemplo, a quarta temporada de “Arrested Development”,  “The Killing”, “Três é Demais” e “Gilmore Girls”. 

Por fim, após muitos pedidos, finalmente, em 2016 a plataforma liberou download de conteúdos para serem assistidos offline. Inicialmente estava disponível em tablets e smartphones e, por último, em PCs. Porém, contrariando as demais produções cinematográficas, os filmes originais não eram disponibilizados para cinemas.  

Imagem: Cinéfolo em Série

Linha do tempo – Evolução da Netflix  

1997 – Reed Hastings e Marc Randolph criam a empresa com locação de filmes online 

1998 – Lançamento do primeiro site de vendas e aluguel de DVDs: netflix.com. 

1999 – Lançamento do serviço por assinatura mensal com locação ilimitada de DVDs  

2000 – Lançamento do sistema de recomendação personalizada de filmes, que utiliza as classificações dos assinantes. 

2002 – Com 600 mil assinantes nos EUA, a Netflix faz uma oferta pública inicial na bolsa de valores de Nova York, com o símbolo “NFLX”. 

2005 – Número de assinantes passa para 4,2 milhões. 

2007 – Início do serviço de transmissão online com acesso a filmes e séries pelo computador. 

2008 – Parcerias com fabricantes de eletrônicos para transmitir conteúdo online no Xbox 360, em aparelhos Blu-ray e conversores de TV. 

2009 – Parcerias com fabricantes de eletrônicos para transmitir conteúdo online no PS3, em TVs e outros aparelhos conectados à Internet. 

2010 – Disponibiliza a plataofrma no Apple iPad, iPhone e iPod touch, no Nintendo Wii e em outros aparelhos conectados à Internet. Netflix chega ao Canadá. 

2011 – Início do serviço na América Latina e no Caribe. 

2012 – Netflix chega à Europa, Reino Unido, Irlanda e nos países nórdicos.  Aliás, primeiro Emmy de Engenharia da história da Netflix.

2013 – Netflix chega à Holanda. Logo, foi lançado os primeiros títulos de programação original, dentre eles “House of Cards“, “Hemlock Grove”, “Arrested Development” e “Orange is the New Black”. 

2014 – Netflix chega em mais seis países europeus (Áustria, Bélgica, França, Alemanha, Luxemburgo e Suíça). Recebe 31 indicações ao Emmy, incluindo melhor série dramática, melhor série de comédia, melhor documentário ou especial de não ficção, com “House of Cards“, “Orange is the New Black” e “The Square”, respectivamente. Contudo, é a primeira rede de televisão por internet a ser indicada para o Emmy e chega a mais de 50 milhões de assinantes. 

Expansão

2015 – Netflix chega na Austrália, Nova Zelândia e Japão. Depois chega na Itália, Portugal e Espanha. Primeiro filme original Netflix, “Beasts of No Nation“, é lançado. 

2016 – Netflix chega a mais 130 países, contabilizando 190 países em todos os continentes. Lançamento de “Stranger Things“, fenômeno internacional. 

2017 – Primeiro Oscar, da história da Netflix, com “Os Capacetes Brancos”, na categoria Melhor Documentário Curta-Metragem. Atinge 100 milhões de assinantes no mundo todo e fecha acordos de produção com Shonda Rhimes e Jenji Kohan.  

2018 – Ganha o Oscar de Melhor Documentário Longa-Metragem com “Ícaro”. Por fim, a companhia também fecha contratos com Ryan Murphy, Kenya Barris e Jason Bateman. Promove “Temporada do Amor”, trazendo comédias românticas clássicas e populares como “A Barraca do Beijo”, “O Plano Imperfeito”, “Sierra Burgess é uma Loser”, “Felicidade por um Fio” e um dos filmes da Netflix mais vistos de todos os tempos, “Para Todos os Garotos que Já Amei”. Estreia produções originais internacionais da Dinamarca (“The Rain”), da Índia (“Jogos Sagrados”), do México (“A Casa das Flores”) e da Espanha (“La Casa de Papel”, “Elite”). Sendo assim, foi o serviço mais indicado ao Emmy em 2018, com 112 indicações, empatando com a HBO no número de vitórias, com um total de 23 prêmios, para séries como “Godless”, “Seven Seconds“, “GLOW” e “Queer Eye“. 

Você gostou de saber sobre a história da Netflix? Então veja sobre as Melhores séries da Netflix – 15 opções para se divertir com qualidade

Fontes: Tecmundo Netflix Oficina da Net CanalTech

Imagens: B9 MSN Qore Tem Alguém Assistindo? Cinéfilo em Série Coisas de Mineira

Como Investir

Essa matéria História da Netflix – Origem, plano de expansão e produção original foi criada pelo site Segredos do Mundo.



Ir para fonte da informação